quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

O Que Serei II

Recordando tempo em que houveram certezas,
Lamentarei os erros acometidos em antigas estradas.
A vida se tornará, agora, significante;
A beleza, será simplicidade e leveza de ser.
O sonho, assim, se libertará,
Para que num vôo, o mais belo de todos,
Possa abdicar de antigas paixões.
Num momento, deixar tudo pra trás.
Ser então a felicidade, sem pecado.
A escuridão, então, me deixará,
Mas não será, em plenitude, meu fim;
Tocarei a luz num abraço glorioso;
Verei os anjos em arpegios e versos sublimes.
Enxergarei a paz no reflexo de minha própria alma,
Então, tornarei a ser;
Tornarei a saber e poderei sentir;
As formas, as cores e ilusões não serão mais iguais,
Serei novo; Estarei limpo;
Neste tempo, encontrarei sentido.

Um comentário:

  1. Esse e o seu antecessor deveriam entitular-se: "Sobre Cogumelos".

    ResponderExcluir