quinta-feira, 16 de setembro de 2010

As Formas Simples de Felicidade

Foi preciso muito torpor para peceber o quão perecível a vida é.
Observava o Sol enquanto morria por detrás das montanhas,
Cada sensação só pode ser vivida uma única vez.
Foram muitos passos até que meus pés confiassem no chão em que tocam,
Por vezes tive medo, fui inseguro. Agora acredito.
Tudo que sei e sinto, hoje posso compreender com clareza
O caos as vezes se descobre escondido em contornos pacíficos.
Muito embora a vida por vezes seja incompreensível,
Do mundo lá fora, faço-me aquilo que sou.
Tudo se encaixa dentro de minha mente,
Só aquilo em que acredito é real.
Só aquele em quem creio é realmente leal.
Só a utopia que vislumbro é bela.

Costruo sonhos firmes.
Perco grandes esperanças.
Só no Hoje sei viver.
O que realmente vale a pena?
Isso vale.



[Sobre insanidade e não ter medo de viver]

3 comentários:

  1. Oii, Bruno! Que lindo poema, querido! Go Ahead! ^^
    Muito obrigada pelo comentário em meu blog, e pelos elogios que me fez! Adoorei ler seu comment em meu RIOT lar! ^^ rs!
    Atualizei meu blog, comente lá, per favore! ^^
    Desde já, muito obrigada!^^

    Mil RIOT beijos,
    **Mari**.

    ResponderExcluir